SEU DISTRIBUIDOR
DE EQUIPAMENTOS
FOTOVOLTAICOS

X

CLIQUE E ENTRE JÁ
EM CONTATO CONOSCO!

11 2610-4004

atendimento@

11 98988-7666

VENDA EXCLUSIVA PARA REVENDA

VENDA EXCLUSIVA
PARA REVENDA

DISTRIBUIDOR OFICIAL DA GROWATT NO BRASIL

DISTRIBUIDOR OFICIAL
DA GROWATT NO BRASIL

PRIMEIRO SERVICE CENTER OFICIAL DA GROWATT NA AMÉRICA LATINA

PRIMEIRO SERVICE CENTER OFICIAL
DA GROWATT NA AMÉRICA LATINA

Que Tal Alugar Sistemas de Energia Solar para Condomínios?

16/03/2021

Que Tal Alugar Sistemas de Energia Solar para Condomínios?

Muitas empresas de integração buscam diferenciais para se destacar no mercado. Uma boa ideia é focar num público-alvo específico, conhecer suas necessidades e projetar soluções customizadas. É o que fez uma startup gaúcha que se especializou em condomínios, oferecendo aluguel tanto dos equipamentos fotovoltaicos quanto do serviço. Os projetos permitem aos locatários uma redução entre 10% e 20% do valor da despesa dos edifícios, podendo chegar a 30% em alguns casos.

A instalação do sistema fotovoltaico é feita sem nenhum custo para o cliente, que só começa a pagar o aluguel a partir da geração da energia solar. A atratividade para os condomínios está em não precisar desembolsar uma grande soma na aquisição do gerador.

A estratégia tem feito sucesso no Rio de Janeiro, de acordo com matéria de O Globo: só a administradora Cipa, por exemplo, tem 30 projetos em andamento na cidade, todos liderados pela startup gaúcha. Apenas em um condomínio da Barra da Tijuca, é esperada uma redução da conta mensal de energia de cerca de R$ 20.200 para aproximadamente R$ 16.700, incluindo o aluguel do sistema.

Vale ressaltar aqui que a solução é atrativa para condomínios de médio porte para cima, sendo sempre necessário um estudo de viabilidade. O CEO da startup esclarece que contas a partir de R$ 2 mil por mês já viabilizam a contratação do projeto. Após a amortização do investimento, o condomínio tem a opção de comprar a usina. Caso não compre, é reduzido o valor do aluguel.

Além do modelo de negócio da startup gaúcha, já há integradoras que oferecem contratos mistos para condomínios, com parte do gerador adquirida e parte alugada.

No Rio de Janeiro, a solução tem tido excelente aceitação entre condôminos, mais pela economia do que pelo apelo ambiental. 

Conheça os procedimentos normalmente adotados pelos condomínios:

  1. O condomínio consulta uma integradora para analisar sua capacidade de geração de energia de acordo com a área disponível para a instalação das placas solares. Os projetos são idealmente desenvolvidos para suprir 100% da energia necessária para as áreas comuns, mas isso nem sempre é possível, podendo suprir 50% ou mais.
  2. O condomínio analisa o orçamento recebido e o compara com os custos da conta de luz paga.
  3. A proposta do projeto deve ser aprovada em assembleia pela maioria dos moradores.
  4. Uma vez aprovado o projeto, a integradora contratada realiza todos os trâmites burocráticos junto à concessionária.
  5. Mesmo que a geração de energia solar supra todo o consumo do condomínio, permanecem na conta os custos referentes à disponibilidade da rede elétrica e de tributos, como o ICMS.

Com o avanço da energia solar, surgem cada vez mais oportunidades. É preciso sempre escutar os clientes, estar atento às necessidades do mercado e buscar meios de atendê-las consistentemente. Trabalhe duro com esta certeza: quem se diferencia primeiro, sai e permanece na frente por mais tempo.

 

Fonte: O Globo

Photo by mike-van-den-bos on Unsplash

Voltar