SEU DISTRIBUIDOR
DE EQUIPAMENTOS
FOTOVOLTAICOS

X

CLIQUE E ENTRE JÁ
EM CONTATO CONOSCO!

11 2610-4004

atendimento@

11 98988-7666

VENDA EXCLUSIVA PARA REVENDA

VENDA EXCLUSIVA
PARA REVENDA

DISTRIBUIDOR OFICIAL DA GROWATT NO BRASIL

DISTRIBUIDOR OFICIAL
DA GROWATT NO BRASIL

PRIMEIRO SERVICE CENTER OFICIAL DA GROWATT NA AMÉRICA LATINA

PRIMEIRO SERVICE CENTER OFICIAL
DA GROWATT NA AMÉRICA LATINA

E se Pudéssemos Prever a Radiação Solar com 1 Hora de Antecedência?

02/07/2021

E se Pudéssemos Prever a Radiação Solar com 1 Hora de Antecedência?

Quem está à frente de uma usina fotovoltaica, com certeza entende quanta diferença faria para a gestão da eficiência energética se fosse possível prever a radiação solar recebida nos módulos em ambos os planos horizontais e inclinados. Se este é o seu caso, alegre-se, pois pesquisadores espanhóis se debruçaram sobre o tema e desenvolveram um modelo matemático para estimar a radiação recebida e orientar a inclinação dos painéis.

Para alcançar o feito, duas universidades espanholas, de Córdoba e de Alcalá de Henares, uniram-se para trabalhar em um projeto chamado Hamlet, cujo objetivo é desenvolver algoritmos preditivos para enfrentar problemas de saúde e meio ambiente. O modelo matemático gerado permite prever a radiação solar para auxiliar a tomada de decisão em plantas fotovoltaicas.

A tecnologia de algoritmo desenvolvida baseia-se em três tipos de redes neurais evolutivas e permite fazer estimativas da radiação recebida tanto em planos inclinados como horizontais. Isso possibilita trabalhar com a inclinação dos painéis solares, orientando-os em um determinado ângulo, dependendo da previsão, para que possam aproveitar a energia de forma mais eficiente.

Os pesquisadores explicam que o sistema permite que a estimativa seja feita com uma hora de antecedência. Isso fornece tempo suficiente para facilitar a gestão na indústria fotovoltaica e saber exatamente quanta energia será fornecida à rede. Ademais, os resultados do trabalho indicaram que a margem de erro da previsão é, na maioria dos casos, menor do que a alcançada por outros estudos semelhantes.

 

Fonte: Fotovolt

Photo by Arthur Ogleznev on Unsplash

Voltar