X

CLIQUE E ENTRE JÁ
EM CONTATO CONOSCO!

11 2610-4004

atendimento@

11 98988-7666

VENDA EXCLUSIVA PARA REVENDA

VENDA EXCLUSIVA
PARA REVENDA

DISTRIBUIDOR OFICIAL DA GROWATT NO BRASIL

DISTRIBUIDOR OFICIAL
DA GROWATT NO BRASIL

PRIMEIRO SERVICE CENTER OFICIAL DA GROWATT NA AMÉRICA LATINA

PRIMEIRO SERVICE CENTER OFICIAL
DA GROWATT NA AMÉRICA LATINA

Na Contramão da Crise, GD Cresce no 1º Semestre de 2020

24/07/2020

Na Contramão da Crise, GD Cresce no 1º Semestre de 2020

Nada para a geração solar distribuída no País. Pelo menos, é isso que temos observado durante esta crise sem precedentes. Enquanto a pandemia da Covid-19 ainda afeta muitos mercados negativamente, a GD cresceu mais de 90% no primeiro semestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado.

Os números não mentem: de janeiro a junho de 2020, foram conectados 83.048 sistemas fotovoltaicos contra 43.703 no 1º semestre de 2019. Mesmo em abril, mês em que a paralisação mais afetou a economia, o número de novas conexões foi cerca de 59% superior a abril/2019.

Desde 2012, 1º ano de vigência das regras da geração distribuída, o mercado fotovoltaico tem apresentado uma taxa média anual de crescimento acima de 200%. De acordo com a ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), os projetos já acumulam R$15,16 bilhões em investimentos com 130 mil empregos gerados.

Os benefícios são inúmeros e o estado de calamidade tem provado o ganho econômico. Atualmente, 260 mil brasileiros já utilizam a luz do sol para gerar a própria energia, pagando menos na conta de luz e se protegendo contra a inflação energética. 72,3% dos sistemas instalados são residenciais e, mesmo com o aumento do consumo motivado pelo isolamento social, os prosumidores continuaram economizando até 95% na conta: um alívio para as finanças pessoais.

Além disso, quem já tinha GD está imune aos novos aumentos no preço da energia, que afetarão o bolso dos brasileiros pelos próximos anos. Devido à crise da Covid-19, o empréstimo emergencial do governo às distribuidoras de energia, que será pago em parte pelos consumidores por 5 anos, deverá inflacionar a eletricidade em até 20%.

Isso tudo significa que temos novos e fortes argumentos de venda para impulsionar ainda mais a solar no Brasil. As novas ameaças financeiras despertam cada vez mais o interesse dos consumidores pelos sistemas fotovoltaicos, cujo alto custo inicial é facilmente justificado pela sua longa vida útil e baixa manutenção.

Vale lembrar que os preços dos equipamentos para geração solar continuam em queda e surgem a cada dia novas linhas de financiamento, tornando a aquisição mais acessível. Em alguns casos, a economia obtida na conta do mês permite quitar a parcela do investimento.

Vemos uma bela luz para a solar no fim do túnel. Com um cenário favorável e a grande disponibilidade da fonte solar, a geração fotovoltaica com certeza contribuirá para a recuperação econômica pós-Covid. Ajude-nos a espalhar a boa notícia e boas vendas!

Fontes: Absolar e Greener

Voltar